Recent comments

  • Bloco de Esquerda o Partido Fashion   2 weeks 1 day ago

    Pai nosso. A Nossa Senhora é que é uma verdadeira badalhoquice da lógica autoritária de disciplinar comportamentos e linguagem. Preconceitos de pseudo libertários, com tiques de anti moda e anti politicamente correcto é que não acrescentam nada à renovação que o mundo precisa. Mas fica sempre bem.

  • A Dominação e a Arte da Resistência   2 weeks 6 days ago

    muy bueno!

  • Revolução social   3 weeks 3 days ago
  • Revolução social   3 weeks 3 days ago
  • Paraphysique de connexionnisme   4 weeks 2 days ago

    Bravo !

    Très bien compah!
    De não saber o que me espera
    Tirei a sorte à minha guerra
    Recolhi sombras onde vira
    Luzes de orvalho ao meio-dia

    Vítima de só haver vaga
    Entre uma mão e uma espada
    Mas que maneira bicuda
    De ir à guerra sem ajuda

    Viemos pelo sol nascente
    Vingamos a madrugada
    Mas não encontramos nada
    Sol e àgua sol e àgua

    De linhas tortas havia
    Um pouco de maresia
    Mas quem vencer esta meta
    Que diga se a linha é recta

  • [Lisboa - 16/04] Concentração Solidária #NuitDebout   5 weeks 4 days ago

    Décimas ao Tigre de Papel

    Pobre Tigre de Papel
    Vais no ar a esvoaçar
    Chuva e vento em tropel
    Logo te fazem parar.
    (Mote)

    1.
    Não és bicho, não és gente
    Na China dizia o Mao,
    E mais do que isto é um pau,
    Não há como ser diferente.
    Basta que chova ou vente
    Pareces um carrossel,
    Porque tu sem um cordel
    Sem gente que te levante,
    Vais abaixo num instante
    Pobre Tigre de Papel.

    2.
    Seja o imperialismo
    Ou seja o arrogante,
    Devagar ou num instante,
    Irá cair num abismo
    Como caiu o fascismo.
    E não há que duvidar
    Que o tempo vai confirmar.
    Lembra-te disto portanto:
    Só na festa, és encanto,
    Vais no ar a esvoaçar.

    3.
    A força está na razão,
    Na História e no Povo.
    Que eu cá não me comovo,
    Nem te tenho admiração.
    O teu lugar é no chão
    Decorou-te um pincel,
    És um monte de papel.
    Não te ponhas a inchar
    Olha que está a chegar
    Chuva e vento em tropel.

    4.
    A História tem motor
    Que trabalha devagar.
    Só é preciso esperar,
    Tigrezinho rosnador,
    Que nunca um agressor
    Deixou falta por pagar
    Não te vais aguentar.
    Será fábula da China,
    Mas não escapas à ruína
    Logo te fazem parar.

    António Pereira
    antoniopereira [em] gmx [dot] com

  • Bloco de Esquerda o Partido Fashion   5 weeks 4 days ago

    A Nossa Senhora tem razão, tal como já tinha quando apareceu em Fátima. Não faz sentido discutir causas inúteis e esta, a tal do cartão, é bem o exemplo.
    O BE dedica-se a essa grande causa da moda que é o «politicamente correcto», a lógica autoritária de disciplinar comportamentos e linguagem. Nesse aspecto está a contribuir alegremente para o admirável mundo novo de Orwell e Huxley...

  • Bloco de Esquerda o Partido Fashion   5 weeks 4 days ago

    Nossa Senhora. Porque se alimentam com causas inúteis, como esta de contestar o pintelho que, justificadamente, é levantado pelo BE. Há muito mais problemas no mundo, claro que sim, mas isso não impede que haja motivação legítima e útil para propor alterações. Um pouco mais de cultura e compreensão, nomeadamente da importância da linguística nos padrões de comportamento e nos modelos sociais.

  • Paris, 12 de Abril: a luta continua nas ruas   5 weeks 6 days ago

    para continuar a acompanhar ao minuto o que acontece (essencialmente em Paris)

    https://paris-luttes.info/greve-actions-manifs-suivi-de-la-5349?lang=fr

  • Madrid: a mudança tropeça no lixo   6 weeks 4 hours ago
  • Pintadas no autocarro da Repsol   7 weeks 14 hours ago

    podiam ter adicionado a agenda as próximas paradas :D

    Lisboa - dias 16, 17 e 18 de Março - Av Brasília junto ao Urban, no estacionamento.

    Lisboa - Expo, dias 19 e 20 de Março - Na placa Central entre a Gare do Oriente e o C.C. Vasco da Gama.

    Setúbal - dias 28, 29, 30, 31 e 1 de Abril de 2016 - Largo José Afono, em direcção à serra da Arrábida, no final da Av. Luísa Todi.

    Santiago do Cacém - dia 4 e 5 de Abril - Dia 4 em Santo André, na Escola Secundária Local, dia 5 em Santiago do Cacém - Junto à Escola Secundária Manuel da Fonseca, Estrada de Santa Cruz

    Sines - dia 6, 7, 8 e 9 de Abril - Antiga Estação dos Caminhos de Ferro - Av. General Humberto Delgado

    Faro - dias 11, 12, 13 (14 e 15 a definir) - Agrupamento de Escolas João De Deus, e Santo António - Av. 05 de Outubro, 8004-069 FARO

    Évora - dias 19, 20, 21, 22 e 23 de Abril de 2016 - Ainda sem localização exacta

    Castelo Branco - dias 25, 26 e 27 de Abril de 2016 - Ainda sem localização exacta

  • Pintadas no autocarro da Repsol   7 weeks 1 day ago

    Boa!!

  • Concentração de repúdio pelo julgamento fantoche dos anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar   7 weeks 5 days ago
  • Condenação de 17 ativistas pacíficos em Angola é uma afronta à justiça   8 weeks 20 hours ago

    Fantochadas de alguém que se quer manter á frente de uma Nação sem que tenha que dar satisfações ao Povo que, Não o Elegeu.

  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   9 weeks 1 day ago

    REPUDIAMOS O JULGAMENTO – FANTOCHE DOS ANARQUISTAS MÓNICA CABALLERO E FRANCISCO SOLAR QUE SE ENCONTRAM HÁ MAIS DE DOIS ANOS REFÉNS DO ESTADO ESPANHOL

    Nos dias 8, 9 e 10 de Março de 2016, em Madrid, na Audiência Nacional, realizou-se o julgamento contra xs anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar. Julgamento farsa, por dois motivos: porque o que perseguem é a própria liberdade, nem são culpadxs nem inocentes. Além disso, as “provas” que apresentam em tribunal não são nenhumas, xs próprixs negam a autoria dos factos de que xs acusam. O que pretendem com este julgamento – espetáculo é precisamente impôr o terrorismo de Estado.

    Mónica e Francisco encontravam-se há mais de dois anos em prisão preventiva, à espera de julgamento. Agora regressaram à prisão de Villabona, Astúrias, à espera da sentença (passado um mês).

    A acusação contra elxs são três destruições, conspiração e pertença a organização criminal com fins terroristas, pelos quais a acusação pede uma condenação de 44 anos para cada um. A sua detenção foi a primeira de uma série de operativos antiterroristas na Catalunha, Madrid e Valência – operativos conhecidos com os nomes de Pandora e Piñata o que corresponde a mais de 40 pessoas acusadas de fazer parte desta organização “terrorista”.

    Desde Novembro de 2013, antes mesmo da detenção de Mónica e Francisco – num período de tensão crescente e de contestações sociais nas ruas – que se podia observar como a repressão contra aquelxs que lutam contra a opressão, anarquistas incluídxs, estava a aumentar. Neste contexto também se fizeram numerosas alterações legais para incrementar a repressão, tal foi o caso da lei da segurança cidadã, a reforma do código penal e a assinatura de um novo pacto antiterrorista.

    Para além disto, também fomos testemunha de como estas alterações se traduziram em constantes detenções, julgamentos e condenações - não só das pessoas que lutam, também das pessoas que ousam mostrar o seu descontentamento; outros processos judiciais são por coisas tão ridículas tais como meros comentários nas redes sociais ou letras de canções inclusive – corroborando isto, para se ver até onde chega a mentira, veja-se o caso duns artistas com marionetes, “tiriteros”. que acabaram na prisão por “enaltecimento do terrorismo” quando na realidade, na sua obra, criticavam a repressão aos/às anarquistas.

    O julgamento de Mónica e Francisco não é o julgamento final, trata-se antes de um início que pode constituir um precedente a repercutir-se nas atuais lutas assim como nas futuras. Criando assim uma organização fictícia onde todxs têm cabimento. O que parece uma burla, no sentido comum, deixa de o ser quando cada vez mais gente enche as prisões do estado espanhol.

    A acusação de terrorismo, ou na sua ausência a de “enaltecimento”, serve como uma espécie de varinha mágica, através da qual o Estado procura fazer desaparecer as diversas formas de oposição à sua omnipresença e repressão.

    Fazemos um apelo à solidariedade com Mónica e Francisco, dando visibilidade à sua situação e fazendo sentir a Mónica e Francisco que não estão sós perante este aparelho que lhes quer roubar a liberdade e a vida.

    Mónica e Francisco em liberdade, já!

    Anti-autoritárixs em solidariedade com Mónica e Francisco

    CONCENTRAÇÃO FRENTE AO CONSULADO GERAL DE ESPANHA
    5ª FEIRA 24 MARÇO 17:30
    R. Salitre, 3, LISBOA

  • Concentração de repúdio pelo julgamento fantoche dos anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar   9 weeks 1 day ago

    REPUDIAMOS O JULGAMENTO – FANTOCHE DOS ANARQUISTAS MÓNICA CABALLERO E FRANCISCO SOLAR QUE SE ENCONTRAM HÁ MAIS DE DOIS ANOS REFÉNS DO ESTADO ESPANHOL

    Nos dias 8, 9 e 10 de Março de 2016, em Madrid, na Audiência Nacional, realizou-se o julgamento contra xs anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar. Julgamento farsa, por dois motivos: porque o que perseguem é a própria liberdade, nem são culpadxs nem inocentes. Além disso, as “provas” que apresentam em tribunal não são nenhumas, xs próprixs negam a autoria dos factos de que xs acusam. O que pretendem com este julgamento – espetáculo é precisamente impôr o terrorismo de Estado.
    Mónica e Francisco encontravam-se há mais de dois anos em prisão preventiva, à espera de julgamento. Agora regressaram à prisão de Villabona, Astúrias, à espera da sentença (passado um mês).
    A acusação contra elxs são três destruições, conspiração e pertença a organização criminal com fins terroristas, pelos quais a acusação pede uma condenação de 44 anos para cada um.
    A sua detenção foi a primeira de uma série de operativos antiterroristas na Catalunha, Madrid e Valência – operativos conhecidos com os nomes de Pandora e Piñata o que corresponde a mais de 40 pessoas acusadas de fazer parte desta organização “terrorista”.
    Desde Novembro de 2013, antes mesmo da detenção de Mónica e Francisco – num período de tensão crescente e de contestações sociais nas ruas – que se podia observar como a repressão contra aquelxs que lutam contra a opressão, anarquistas incluídxs, estava a aumentar. Neste contexto também se fizeram numerosas alterações legais para incrementar a repressão, tal foi o caso da lei da segurança cidadã, a reforma do código penal e a assinatura de um novo pacto antiterrorista.
    Para além disto, também fomos testemunha de como estas alterações se traduziram em constantes detenções, julgamentos e condenações - não só das pessoas que lutam, também das pessoas que ousam mostrar o seu descontentamento; outros processos judiciais são por coisas tão ridículas tais como meros comentários nas redes sociais ou letras de canções inclusive – corroborando isto, para se ver até onde chega a mentira, veja-se o caso duns artistas com marionetes, “tiriteros”. que acabaram na prisão por “enaltecimento do terrorismo” quando na realidade, na sua obra, criticavam a repressão aos/às anarquistas.
    O julgamento de Mónica e Francisco não é o julgamento final, trata-se antes de um início que pode constituir um precedente a repercutir-se nas atuais lutas assim como nas futuras. Criando assim uma organização fictícia onde todxs têm cabimento. O que parece uma burla, no sentido comum, deixa de o ser quando cada vez mais gente enche as prisões do estado espanhol.
    A acusação de terrorismo, ou na sua ausência a de “enaltecimento”, serve como uma espécie de varinha mágica, através da qual o Estado procura fazer desaparecer as diversas formas de oposição à sua omnipresença e repressão.
    Fazemos um apelo à solidariedade com Mónica e Francisco, dando visibilidade à sua situação e fazendo sentir a Mónica e Francisco que não estão sós perante este aparelho que lhes quer roubar a liberdade e a vida.

    Mónica e Francisco em liberdade, já!

    Anti-autoritárixs em solidariedade com Mónica e Francisco

    CONCENTRAÇÃO FRENTE AO CONSULADO GERAL DE ESPANHA
    5ª FEIRA 24 MARÇO 17:30
    R. Salitre, 3, LISBOA

  • Concentração de repúdio pelo julgamento fantoche dos anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar   9 weeks 2 days ago

    É URGENTE!

  • Concentração de repúdio pelo julgamento fantoche dos anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar   9 weeks 3 days ago
  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   9 weeks 5 days ago

    Nos dias 8, 9 e 10 de Março de 2016, em Madrid, na Audiência Nacional, realizar-se-á o julgamento contra xs anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar. Encontram-se há mais de dois anos em prisão preventiva, à espera de julgamento.

    A acusação contra elxs são três destruições, conspiração e pertença a organização criminal com fins terroristas, pelos quais o ministério público pede uma condenação de 44 anos para cada um.

    A sua detenção foi a primeira de uma série de operativos antiterroristas na Catalunha, Madrid e Valência – operativos conhecidos com os nomes de Pandora e Piñata o que corresponde a mais de 40 pessoas acusadas de fazer parte desta organização “terrorista”.

    Desde Novembro de 2013, antes mesmo da detenção de Mónica e Francisco – num período de tensão crescente e de contestações sociais nas ruas – que se podia observar como a repressão contra aquelxs que lutam contra a opressão, anarquistas incluídxs, estava a aumentar. Neste contexto também se fizeram numerosas alterações legais para incrementar a repressão, tal foi o caso da lei da segurança cidadã, a reforma do código penal e a assinatura de um novo pacto antiterrorista.

    Para além disto, também fomos testemunha de como estas alterações se traduziram em constantes detenções, julgamentos e condenações – não só das pessoas que lutam, também das pessoas que ousam mostrar o seu descontentamento; outros processos judiciais são por coisas tão ridículas tais como meros comentários nas redes sociais ou letras de canções inclusive – corroborando isto, para se ver até onde chega a mentira, veja-se o caso duns tiriteros que acabaram na prisão por “enaltecimento do terrorismo” quando na realidade, na sua obra, criticavam a repressão aos/às anarquistas.

    O julgamento de Mónica e Francisco não é o julgamento final, trata-se antes de um início que pode constituir um precedente a repercutir-se nas actuais lutas assim como nas futuras. Criando uma organização fictícia onde todxs têm cabimento. O que parece uma burla, no sentido comum, deixa de o parecer quando cada vez mais gente enche as prisões do estado espanhol.

    A acusação de terrorismo, ou a do seu “enaltecimento”, serve como uma espécie de varinha mágica, através da qual o Estado procura fazer desaparecer as diversas formas de oposição à sua omnipresença e repressão.

    Fazemos uma Chamada à solidariedade com xs companheirxs Mónica e Francisco, para se informar acerca da sua situação, dando-lhe visibilidade e fazendo sentir a Mónica e Francisco que não estão sós perante este aparelho que lhes quer roubar a liberdade e a vida.

    Mónica e Francisco em liberdade, já!

    Ponhamos as nossas mentes, corações e mãos em actividade para dar um sentido à palavra Solidariedade.

    https://pt-contrainfo.espiv.net/2016/03/06/pais-basco-cartazes-em-solida...

  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   9 weeks 6 days ago

    24 de Março, 17h 30 ( 5ª feira)
    Frente ao Consulado-Geral de Espanha - Lisboa
    R. Salitre, 3.

    Concentração de repúdio pelo julgamento fantoche de Mónica Caballero e Francisco Solar.

    A liberdade é o crime que perseguem!

  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   9 weeks 6 days ago
  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   10 weeks 3 hours ago
  • Combustível para a luta   10 weeks 23 hours ago
  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   10 weeks 5 days ago

    http://www.emol.com/noticias/Nacional/2016/03/10/792332/Culmina-juicio-a...

    Terminou hoje o julgamento dos dois anarquistas chilenos, residentes em Espanha, acusados de colocarem um artefacto explosivo numa igreja de Zaragoza.
    "Viva a anarquia, morte ao Estado" foi com estas palavras que os dois deixaram hoje a sala do Tribunal.
    Francisco Solar e Mónica Caballero estão acusados de terrorismo, com base em imagens recolhidas por uma câmara que, no entanto, não os identifica, e quer um quer outro negam qualquer relação com o atentado. Mónica Caballero diz mesmo que nunca esteve em Zaragoza.
    A acusação pede 44 anos de prisão. A sentença deverá ser conhecida dentro de um mês.

  • Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol   10 weeks 6 days ago