Manifestação de Estudantes do Ensino Superior

Data: 
Thu, 22/11/2012 - 14:00
Local: 
Marquês de Pombal - Assembleia da República, Lisboa

AE da Faculdade de Letras da UL | AE da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL | AE do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território | AE do ISCTE - IUL | AE da Faculdade de Belas Artes da UP | AE da Escola Superior de Educação do Porto | AE da Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo | AE da Faculdade de Ciências da UL | AE da Faculdade de Letras da UP | AE da Faculdade de Arquitectura da UP | AE da Faculdade de Psicologia e do Instituto de Educação da UL | AE da Faculdade de Direito da
UP | AE da Escola Superior de Teatro e Cinema (em actualização)

Manifesto

Os custos do Ensino Superior são incomportáveis para os estudantes e para as suas famílias. Estima-se que, em 2010/2011, cada família tenha gasto, em média, com custos de frequência do Ensino Superior, 5841 euros. Portugal é um dos países em que maior percentagem do rendimento é destinada a custear as despesas de frequência do Ensino Superior.

As propinas não param de aumentar. O aumento das propinas, que já ultrapassam os 1.000 euros no 1º ciclo e que, no 2º ciclo, por não terem um tecto máximo, podem chegar a dezenas de milhares de euros, associado ao aumento do custo de vida e às dificuldades das famílias, tem levado a um enorme aumento da taxa de abandono escolar.

A Acção Social não chega. Os cortes nas bolsas de estudo associados a um Regulamento de Atribuição de Bolsas injusto põem em causa aquilo que é um direito - o ensino para todos.

Os empréstimos aumentam. O número de alunos do Ensino Superior que pediu empréstimo bancário aumentou de 1,6 por cento, em 2004/2005, para 4,9% no último ano lectivo. Em média, o valor dos empréstimos é de 9.851 euros. Segundo a SPGM, 12 mil estudantes já devem 200 milhões de euros à banca em empréstimos bancários para estudar.

O passe escolar não é para cortar. O passe escolar o garante da mobilidade e a autonomia os estudantes e, para muitos, um apoio fundamental para que possam frequentar os diversos graus de ensino. O fim do desconto generalizado nos transportes para estudantes significou aumentos até mais de 100 %, o que agravou as dificuldades das famílias, condiciona fortemente a mobilidade dos estudantes e põe em causa o acesso ao ensino.

Desta forma, reivindicamos:

1. A reposição do passe escolar
2. Um regulamento de atribuição de bolsas e uma Acção Social mais justos
3. Mais financiamento para as instituições de Ensino Superior
4. Fim dos consecutivos aumentos das propinas

PublicarMelodias