Incêndios estivais: fatalidade, negligência ou erro de base?

Data: 
Sat, 29/04/2017 - 15:00
Local: 
sede da Campo Aberto - Rua de Santa Catarina, 730-2.º, Porto

Incêndios estivais: fatalidade, negligência ou erro de base?

Uma tertúlia com duas comunicações iniciais seguidas de debate

1. A Transição Florestal e a Governança do Risco de incêndio nos últimos 100 anos; apresentada por Tiago Oliveira, com base num trabalho comum com diversos colaboradores;

2. Florestar Portugal como nunca foi feito; apresentada por Miguel Dantas da Gama.

Quando?
Sábado, 29 de abril, às 15:00

Onde?
Junto à sede da Campo Aberto - Rua de Santa Catarina, 730-2.º andar, cerca de 300 metros acima do Via Catarina, do mesmo lado.

Como?
Entrada livre e gratuita sujeita a inscrição prévia. Indicar nome, email e telefone de contacto de cada pessoa inscrita, para:
atividadesca [em] gmail [dot] com

Porquê?
A Campo Aberto - associação de defesa do ambiente convida a esta tertúlia, na sequência de um trabalho continuado desde 2000 sobre a situação do nosso território e do mundo rural.

Gradualmente, veio-se instalando em Portugal desde há décadas o sentimento, inconfessado mas real, de que as vagas de fogos que percorrem o país recorrentemente no verão (e mesmo fora do verão!) são uma fatalidade contra a qual nada podem nem os bombeiros, nem os políticos, nem a população nem os cidadãos e que apenas nos restaria contemplá-los.

Esta tertúlia tem em vista compreender melhor esse fenómeno, e ao mesmo tempo abrir caminho para uma atitude não resignada, inconformista, que se baseie na convicção de que é desejável e possível diminuir drasticamente as vagas de incêndios, começando de imediato mas com base numa perspetiva de médio e longo prazo, de modo a reduzir os incêndios a acontecimentos episódicos e excecionais.

Tiago Oliveira, engenheiro florestal, mestre em gestão de recursos naturais, integra o Centro de Estudos Florestais do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa; especializou-se no tema da gestão e governança de risco, no qual desenvolveu tese de doutoramento recentemente apresentada; é responsável pela prevenção e combate de incêndios na empresa Navigator de produção de pasta e papel.

Miguel Dantas da Gama, engenheiro, foi fundador da Quercus e do Fapas (Fundo de Proteção dos Animais Selvagens), sendo dirigente deste último. É membro do Conselho Estratégico do Parque Nacional da Peneda‐Gerês e do Conselho de Cooperação da Reserva da Biosfera Gerês‐Xurés.

Campo Aberto - associação de defesa do ambiente