Parede vermelha com Xilografias de Guillermo Deisler 1940-1995

Data: 
Fri, 15/06/2018 - 21:30
Local: 
Gato Vadio - Rua do Rosário, 281 - Porto

No aniversário do artista chileno Guillermo Deisler vestimos a parede vermelha da livraria com algumas das suas xilografias
(de 15 de Junho a 15 de Julho).

GUILLERMO DEISLER
Nasceu a 15 de Junho de 1940 em Santiago do Chile.
Estuda na Escola de Artes e Ofícios, especialidade Metalurgia. Termina o curso de Técnico Metalúrgico, na Universidade Técnica do Estado, Santiago. Cursa na Carreira de Artes Aplicadas, Cerâmica e Gravação na Universidade do Chile, Santiago. Cursa Desenho Teatral e Iluminação na Escola de Teatro da Universidade de Chile, Santiago.

Entre 1963-1973 impulsiona o nascimento das Ediciones Mimbre em Santiago, que logo se mudam para Antofagasta. Nelas publicam-se mais de cinquenta títulos, entre livros e encartes de contos e poesias, todos ilustrados com as suas gravuras originais. Além de peças de sua autoria, Mimbre inclui obras de outros poetas jovens.

Entre 1967-1973 trabalha como docente de gráfica na Universidade do Chile com sede em Antofagasta, onde faz parte do Departamento de Extensão Cultural. Integra o grupo nortenho “Tebaida” e ilustra com xilografias originais a revista homónima, dirigida por Alicia Galaz. Em 1969 publica em Mimbre a sua primeira obra „GRRR“, cujo conteúdo dá conta das primeiras incursões na poesia Visual. Em 1970 recebe o Prémio Cine Documental do Instituto Chileno Norte americano de Cultura em Santiago pelo filme “Mejillones” (da qual não foi possível localizar uma cópia até hoje). Em seguida publica os livros “Poemas Visivos y proposiciones a realizar” e “poesía Visiva en el mundo”, a primeira antologia de poesia Visual na América latina, ambos em 1972 e editados por Ediciones Mimbre.

Em 1973 Guillermo Deisler é detido junto com outros profissionais da Universidade do Chile em Antofagasta permanecendo dois meses na cadeia da cidade. É expulso da universidade e obrigado a sair do país.

Em 1974 através do Agregado Cultural de la Embaixada de França em Santiago, que ajudou muitos intelectuais e artistas que eram obrigados pelos militares a abandonar Chile, partiu para Paris, onde permaneceu dois meses. Por não encontrar aí trabalho, continuou a viagem até à República Democrática da Alemanha, na cidade de Berlim onde contactou com Heinz Uwe Haus, director teatral e obteve um contrato de trabalho para a realização da cenografia, máscaras e vestuário da obra de Pablo Neruda “Fulgor y Muerte de Joaquín Murieta” realizada em Bautzen, pelo Teatro Popular Alemão –Sorbo (Deutsch-Sorbisches Volkstheater), obra dirigida por Heinz Uwe Haus, com a participação de Patricio Bunster, Carlos Maldonado y Patricio Castillo.

Em Maio de 1974 viaja com a esposa e quatro filhos para a Bulgária e fixa residência em Plovdiv. Neste período viaja continuamente entre a Bulgária e a RDA para assim cumprir o seu contrato teatral. Em Plovdiv é aceite como membro da Unión de Artistas Búlgaros e dedica-se ao trabalho de Publicidade, Teatro e criação como artista plástico. Junto com outros poetas e artistas latino americanos forma uma ampla rede de arte correio, no que Deisler é considerado um dos principais expoentes. Em 1975 publica-se em Nouvelles Éditions Polaires, Marsella, França, dirigida por Julien Blaine o seu livro “Le Cerveau”, projecto que tinha começado em Antofagasta em Abril de 1973, interrompido pelo Golpe de Estado de 11 de Setembro.

Em 1986 muda-se para Halle/Saale, na República Democrática da Alemanha, onde trabalha no Landestheater Halle (Teatro Regional de Halle) na oficina gráfica, fazendo cartazes e programas para numerosas óperas e ballet. Integra-se no movimento artístico da cidade, realizando distintos projectos, entre exposições internacionais de Arte Correio e poesia Visual. Visita Chile com apoio da UNESCO para ver os seus pais.

Em 1987 começa o seu projecto UNI/vers(;), Encarte Internacional de poesia Visual e Experimental, com uma tiragem de 100 exemplares, contendo cada edição as obras originais de 40 artistas de todo o mundo... que mantém activo até à sua morte

Em 1988 Deisler organiza com a artista visual Karla Sachse a Primeira Mostra de poesia Visual da RDA no Clube de Trabalhadores da Cultura de Berlim.

Em 1989 termina o seu Projecto Internacional de Arte Correio “Plumas de todo el mundo para mi propio vuelo” em que participaram mais de 200 artistas.

Em 1995 morre em Halle/Saale, Alemanha em 21 de Outubro depois de uma larga e penosa doença.
Desde então aconteceram inúmeras exposições em homenagem ao artista na Europa, América Latina e Chile. O seu trabalho está incluído em numerosas amostras internacionais de gravura, arte e poesia visual.

evento: https://www.facebook.com/events/1743776329010478/