[Afrin] Solidariedade a partir de Portugal

Retirado de Guilhotina.info, onde podes ver todas as fotos

#PortugalDefendAfrin #AfrinNotAlone #ErdogansWarOnAfrin

Acção de solidariedade com o povo Curdo e a resistência em Afrin | Denúncias do regime de terror de Erdogan em Almada, Lisboa, Porto, Coimbra, Mértola, PontaDelgada, Caldas da Raínha e Montemor-o-Novo

[English Bellow]

[DIVULGAMOS FOTOS E COMUNICADO RECEBIDO POR E-MAIL]

No dia 20 de Janeiro o regime fascista da Turquia ( País da NATO) iniciou uma ofensiva militar contra o povo curdo em Afrin, Rojava. Esta ataque que já matou dezenas de pessoas, feriu centenas e obrigou a que pelo menos 25.000 pessoas fossem forçadas a deslocar-se por causa dos bombardeamentos. Começa a gerar-se uma crise humanitária de grandes porporções. A destruição do património cultural e arqueológico tem sido devastadora.

Esta zona, que se tornou refúgio para milhares de pessoas que fugiram durante a guerra síria e ali encontraram a paz para poder voltar a viver, agora encontra-se ameaçada pelos bombardeamentos e pelas forças jihadistas com o apoio das tropas do regime turco. O regime fascista de um homem só, encontra-se numa cruzada para exterminar um povo milenar que leva uma revolução em curso onde as mulheres tomam um papel central, uma revolução que se baseia em três pilares: Comunalismo, Ecologismo e Feminismo.

Entre as montanhas de Rojava o povo curdo continua a resistir, e cada vez mais longe o modelo social que brilha de forma imparável em Rojava torna-se cada vez mais escutado e apoiado por toda a humanidade. Este modelo recebe muitas esperanças, porque propõe um sistema praticável, propõe um modo de vida para toda a humanidade e que supõe a vitória da modernidade democrática sobre a modernidade capitalista.

Um grupo de pessoas solidárias com a luta heróica deste povo , saiu hoje dia 1 de Fevereiro às ruas para chamar a atenção para o silenciamento que a Comunidade Internacional e a Comunicação Social estão a perpetuar, permitindo, uma vez mais, que um genocídio aconteça sem manifestar uma acção de repúdio. Nós não vamos continuar em silêncio, e vamos continuar a denunciar os crimes contra a humanidade que o regime turco está a cometer em Rojava.

Apelamos a que todas as pessoas que se identifiquem com a luta deste povo, que se auto-organizem e realizem acções de protesto contra o regime turco. Seja nas ruas, nas embaixadas, em concentrações de solidariedade, a nossa voz não pode ser silenciada! #DefendAfrin

P.s: Enviem fotos de acções semelhantes para : resistenciaafrin [em] riseup [dot] net

::::

ENG

#AfrinNotAlone #PortugalDefendAfrin Solidarity with Kurdish people and the resistance in Afrin | Denounces of Erdogan's terror regime in #Almada, #Lisbon, #Porto, #Coimbra #Mértola and #PontaDelgada #ErdogansWarOnAfrin

[PHOTOS AND STATEMENT RECEIVED BY E-MAIL]

« On January 20, the Turkish fascist regime (Country from NATO ) launched a military offensive against the Kurdish people in Afrin, Rojava. This attack, which has killed dozens of people, injured hundreds and forced atleast 25,000 to move because of the bombings. A humanitarian crisis of large proportions is beginning to emerge. The destruction of cultural and archaeological heritage has been devastating.

This region became a refuge for thousands of people who fled during the Syrian war, there they found peace and were able to return to their normal lifes. Now Afrin is threatened by bombings and jihadist forces with the support of Turkish troops. The one-man fascist regime finds itself in a crusade to exterminate an ancestral people that leads an ongoing revolution where women take a central role, a revolution based on three pillars: Communalism, Ecologism and Feminism.

Among the mountains of Rojava, the Kurdish people continue to resist and increasingly the social model that shines unstoppably and becomes increasingly heard and supported by all humanity. This model receives many hopes because it proposes a achievable system, proposes a way of life for all humanity and that assumes the victory of democratic modernity over capitalist modernity.

A group of people in solidarity with the heroic struggle of this people went to the streets on February 1 to draw attention to the silencing that the International Community and the Media are perpetuating, once again allowing a genocide to happen without express an act of condenation. We will not continue in silence, and we will continue to denounce the crimes against humanity that the Turkish regime is committing in Rojava.

We appeal to all people who identify with the struggle of the kurdish people, to organize themselves and carry out actions of protest against the Turkish regime. Whether in the streets, in the embassies, in concentrations of solidarity, our voice can not be silenced! #DefendAfrin »

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas