La Maliche: a ZAD mexicana

  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: INSERT into captcha_sessions (uid, sid, ip_address, timestamp, form_id, solution, status, attempts) VALUES (0, 'sbbfp0p362dstb3lh7r2fvfl53', '54.196.181.109', 1406616045, 'comment_form', '8b7392476ee46aa9bd4f30f6cdfb58a9', 0, 0) in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 99.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET token='59c630517efa2a78bcce75d8eadd5dce' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.module on line 216.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET timestamp=1406616045, solution='1' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 111.

Na madrugada de 23 de Novembro, a polícia de choque desalojou o Acampamento La Maliche, que durante anos albergou a luta de resistência contra a Supervía Poniente ('Auto-estrada Ocidental', com portagem). A 12 dias de cessar funções como chefe do governo do Distrito Federal, Marcelo Ebrard (que é também ‘pré-candidato’ às próximas presidenciais) quis deixar a “casa limpa” ao seu sucessor e utilizou a polícia de choque para golpear a sociedade civil mexicana que, de forma pacífica e informada, tem contestado durante quatro anos a construção da Supervía, apoiados por especialistas em mobilidade e trânsito, ecologia, direito e finanças públicas.

Centenas de polícias chegaram ao acampamento, montado desde 26 de Julho de 2010, e iniciaram demolições, concretizadas por trabalhadores adolescentes que trabalhavam sem condições de segurança e que acabaram por provocar um curto-circuito eléctrico que deixou a zona sem luz. Perante os protestos da comunidade ali reunida, a polícia espalhou gases químicos, cercou a zona com patrulhas e acabou por incendiar o acampamento.

Esta Supervia pretende ligar a zona ocidental da Cidade do México à região de Santa Fé, através de um complexo de vias rápidas, pontes e túneis, numa extensão total de cerca de 37 quilómetros. A contestação surge por diversos motivos:

- Serão destruídas dezenas de milhar de árvores (algumas delas, espécies ameaçadas) e serão lesados os habitats de espécies animais em vias de extinção, com altos níveis de erosão dos solos, movimentação de terras, modificação da topografia e da morfologia do lugar: é violada a Lei Ambiental do Distrito Federal e o Regulamento de Impacte Ambiental;

- Serão atravessadas duas Reservas Naturais (Barranca de Tarago e La Loma) e a Sierra de las Cruces, onde se encontram os lençóis de água que fornecem cerca de 70% da água potável que a cidade consome e será desalojado um número indeterminado de famílias;

- Esta Supervía pretende resolver problemas de congestionamento rodoviário na comunicação entre Santa Fé e a Cidade do México mas, no entanto, a médio e longo prazo, servirá apenas para incentivar e aumentar o uso de automóvel particular, uma vez que pretende acima de tudo resolver a capacidade de expansão das áreas corporativas e das residências de luxo que crescem em Santa Fé;

- A Supervía ficará exclusivamente à responsabilidade de empresas privadas, sendo que uma dessas empresas, Copri, é uma das principais responsáveis por dezenas de projectos imobiliários de luxo em Santa Fé.

+ info

http://procontreras.org

http://mexico.indymedia.org/spip.php?article2464

http://contralinea.info/archivo-revista/index.php/2010/07/04/supervia-po...

http://contralinea.info/archivo-revista/index.php/2010/07/18/supervia-po...

Galeria
Desalojo do Acampamento La MalicheResíduos da construção da Supervía

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas
PublicarMelodias