A contemporaneidade zapatista num fim do mundo

  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: INSERT into captcha_sessions (uid, sid, ip_address, timestamp, form_id, solution, status, attempts) VALUES (0, 'b0nl017lqtpenqfs3k4chv3cs0', '54.196.181.109', 1406637790, 'comment_form', '1dd1c494cfc4496bdce20237e9416c74', 0, 0) in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 99.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET token='e41b3c671167958c9aaa43a6b3ee07f1' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.module on line 216.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET timestamp=1406637790, solution='1' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 111.

Os tempos são novos já sabemos. Sentimo-lo. Mas os tempos são velhos também, diz-nos o anjo da história de Walter Benjamin. Conhecemos as nossas vitórias e as nossas derrotas. Podemos viajar no tempo até às barricadas, aos motins, às ruas, terras e fábricas ocupadas, discutir com este ou aquele cadáver os detalhes do seu pensamento e do seu desejo de viver livre. Se há coisa que não podemos hoje é invocar ingenuidade, afirmar que não estamos preparados, que não sabemos o que aí vem.

O tempo passa e a história desdobra. Há dez anos, talvez há vinte ou mesmo trinta, que é anunciada uma crise na acumulação do capital. Nos últimos anos a crise ganhou um certo tipo de realismo: os patrões deixaram de querer pagar salários, o estado social é considerado desnecessário e a polícia voltou a disparar. Há dez anos, talvez há vinte, começaram a acontecer coisas interessantes: os zapatistas puseram um passa-montanhas que não mais saiu das ruas. Não foi o reaparecimento da fatigada guerrilha, antes o ressurgimento da dissidência e negação.

Lê tudo em
http://crisemaria.wordpress.com/2012/12/26/a-contemporaneidade-zapatista...

Quando vemos agora, no dia marcado para o fim do mundo, o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) depois de anos mais silenciosos voltar à rua de cara tapada com 40 mil homens, mulheres e crianças dispostos em colunas, para uma marcha silenciosa, e lançando um lacónico e brevíssimo comunicado - “Escutaram? É o som do mundo deles desmoronando. E do nosso ressurgindo” – não podemos senão sorrir.

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas
PublicarMelodias