A campanha de intimidação à liberdade de expressão continua na segunda fase da Operação C4R3T05

O único crime de várias dos e das arguidas foi partilharem informação, como já tinha acontecido na primeira fase da operação, em Fevereiro de 2015. Foram acordadas pela Polícia Judiciária ontem pouco depois das 7h00 e viram todo o seu material informático apreendido , assim como o dos seus familiares ou amigos. Levaram ainda dos domicílios cartazes, flyers e stencils

Fonte

[Lisboa - 16/04] Concentração Solidária #NuitDebout

"Somos trabalhadores, estudantes, migrantes, desempregados, precários, refugiados, manifestantes. Passamos a noite de pé porque o capitalismo nos dá insónias. E pretendemos ser o pesadelo dos que têm andado a dormir demasiado descansados."

sábado 16/04 – 18h – Rossio - Lx

Nuit Debout? O que é isso?

França - Ocupações contra a lei do trabalho

Milhares de pessoas ocupam neste momento a Place de la Republique, na capital francesa. Os manifestantes anunciam que pretendem permanecer na praça pelo menos até domingo e consta que já estão a ser montadas tendas. Há também ocupações em ‎Lyon‬, ‪‎Marselha‬, ‪‎Rouen‬, ‪Grenoble‬, ‪Toulouse‬ e ‪Nantes.
[ACTUALIZADO 06/04/2016 - 12h45]

#‎NuitDebout‬ Praças ocupadas em ‪#‎Paris‬, ‪#‎Lyon‬, ‪#‎Marselha‬, ‪#‎Rouen‬, ‪#‎Grenoble‬, ‪#‎Toulouse‬ e ‪#‎Nantes‬ contra a nova Lei do Trabalho

Milhares de pessoas ocupam neste momento a Place de la Republique, na capital francesa. Os manifestantes anunciam que pretendem permanecer na praça pelo menos até domingo e consta que já estão a ser montadas tendas. Pela praça, desenrolam-se diferentes actividades: assembleias, concertos, cinema, malabares e micro aberto de rap.

Condenação de 17 ativistas pacíficos em Angola é uma afronta à justiça

O veredito de condenação e as sentenças de prisão proferidas aos 17 ativistas no julgamento no Tribunal Provincial de Luanda, que chegou ao fim esta segunda-feira, 28 de março, constituem uma afronta à justiça que tem de ser revertida, sustenta a Amnistia Internacional, instando também à libertação imediata e incondicional destes prisioneiros de consciência.

O veredito de condenação e as sentenças de prisão proferidas aos 17 ativistas no julgamento no Tribunal Provincial de Luanda, que chegou ao fim esta segunda-feira, 28 de março, constituem uma afronta à justiça que tem de ser revertida, sustenta a Amnistia Internacional, instando também à libertação imediata e incondicional destes prisioneiros de consciência.

Estado Espanhol: 12 anos de prisão para Monica e Francisco

A sentença para Mónica Caballero e Francisco Solar chega a 12 anos de prisão (5 pelas acusações de “lesões” e outros 7 por “danos com finalidade terrorista”).

A 30 de Março de 2016, xs advogadxs dxs anarquistas Mónica Caballero e Francisco Solar foram notificadxs da sentença da Audiência Nacional, no que se refere ao julgamento realizado nos dias 7, 8 e 9 de Março, em Madrid. Assim, foram condenadxs ambxs a 5 anos de prisão pelas acusações de “lesões”, a que acrescentaram 7 anos por “danos com finalidade terrorista”, o que corresponde a um total de 12 anos de prisão para cada; foram absolvidxs das acusações de “pertença a organização terrorista e conspiração” contra o Mosteiro de Montserrat.

Criminalização do anarquismo no Estado Espanhol

No Estado espanhol houve, nos últimos três anos, um total de 48 pessoas detidas sob a acusação de ‘terrorismo anarquista’, 45 delas à espera de julgamento. Mónica e Francisco, dois deles, serão julgados nos próximos dias 8, 9 e 10 de Março. A acusação pede 44 de prisão por terem danificado bancos de uma Basílica e por pertencerem a uma suposta organização terrorista anarquista

Há 3 anos em prisão preventiva, na maior parte do tempo em regime de isolamento, Mónica e Francisco vão ser julgados nos próximos dias 8, 9 e 10 de Março. A acusação pede 44 de prisão por terem danificado bancos de uma Basílica e por pertencerem a uma suposta organização terrorista anarquista, os GAC –Grupos Anarquistas Coordinados.

Mais info: http://bit.ly/1RwEXNh

[JULGAMENTO ADIADO!!] Ana Nicolau em julgamento por expressar opinião

No dia 11 de Março de 2015, um grupo de pessoas interrompeu o então Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, que falava na Assembleia da República, com gritos de “demissão”. Uma acção que leva agora o estado, através do Ministério Público, a acusar a cidadã Ana Nicolau de “crime de perturbação do funcionamento de órgão constitucional” . O julgamento por Perturbação do Funcionamento de Órgão Constitucional a realizar no Campus de Justiça, em Lisboa, FOI ADIADO.

ACTUALIZAÇÃO: Mensagem no mural de Facebook de Ana Nicolau
"gente boa,
às 14:30 do dia 1 de março, fui informada pelos meus advogados do adiamento do meu julgamento, que estava marcado para as 14:00 do dia 2.
quando houver nova data comunico.
ajudem-me a espalhar, para já, esta informação, por favor.
obrigada.
(.por tudo.)"

Via Observatório do Controlo e Repressão

Syndicate content