Dívida de Portugal rendeu 57% a quem nela investiu

  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: INSERT into captcha_sessions (uid, sid, ip_address, timestamp, form_id, solution, status, attempts) VALUES (0, 'sbrmv6anbpvmtfe4s7nn1flki7', '54.227.56.174', 1406535411, 'comment_form', 'ab3b45b080010155106921804ca23cb8', 0, 0) in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 99.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET token='f07208c569d1a8ebd95d13c55e7a3e54' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.module on line 216.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET timestamp=1406535411, solution='1' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 111.

Retirado de http://esquerda.net

Enquanto os portugueses são esmagados pelo pagamento dos juros da dívida, há quem ganhe muito com ela. O ranking elaborado pela Bloomberg revela que o investimento em obrigações do tesouro português deu um retorno de 57%, o mais alto da Europa, quase o dobro do que renderam as obrigações da Irlanda.

Bancos e investidores que compraram títulos da dívida portuguesa tiveram uma rendibilidade excecional: 57% no ano de 2012, a mais alta da Europa, segundo o ranking elaborado pela agência de informações económicas Bloomberg, em conjunto com a EFFAS – European Federation of Financial Analysts Societies.

Em segundo lugar aparecem os títulos da dívida irlandesa, que renderam 29,3%, seguindo-se a Itália (+20,75%), a Bélgica (+16,6%) e a Áustria (10,5%).

A Bloomberg afirma que 2012 foi o melhor ano de sempre para a dívida soberana europeia (retorno anual de 12%), o maior desde que a Bloomberg começou a reunir dados para este ranking, em 1999. A agência atribui este desempenho ao compromisso assumido em Julho pelo presidente do BCE, Mário Draghi, que prometeu “fazer o que for preciso” para salvar o euro.

“Portugal, Irlanda e Itália tiveram um excelente resultado”, disse à Bloomberg Mohit Kumar, chefe de estratégia no Deutsche Bank. “O apoio ao mercado fornecido pelo BCE afastou o risco de venda agressiva em qualquer dos mercados e uma rutura da zona euro”.

Os bancos portugueses foram os principais beneficiados deste retorno, porque compraram muitos títulos no mercado. Esta estratégia deu bons frutos às instituições financeiras e também aos pequenos investidores, cujo interesse em aplicar poupanças em dívida do Estado subiu, face às rendibilidades elevadas.

Mais
http://esquerda.net/artigo/bce-engorda-os-bancos-ser%C3%A1-que-estes-%E2...

http://esquerda.net/artigo/bancos-optam-por-engordar-cofres-do-bce-e-n%C...

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas
PublicarMelodias