Em Lisboa no dia 2 de Março, não é o povo quem mais ordena

  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: INSERT into captcha_sessions (uid, sid, ip_address, timestamp, form_id, solution, status, attempts) VALUES (0, '4pdfi1sj647kpjc30kr600efk2', '54.204.138.201', 1406968562, 'comment_form', '292f2134e3d6d17856ed87dc22cf6131', 0, 0) in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 99.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET token='49a2bdecce48183bf9a631d48714b555' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.module on line 216.
  • user warning: Table './drupal_indymediapt/captcha_sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: UPDATE captcha_sessions SET timestamp=1406968562, solution='1' WHERE csid=0 in /usr/share/drupal6/sites/all/modules/captcha/captcha.inc on line 111.

Começaram por ser cerca de 30, são mais do dobro. Escolhidos selectivamente, sem assembleias populares ou voto democrático e popular sobre a organização da manifestação.

O grupo foi criado para fazer a manifestação de 15 de Setembro. Esta manifestação teve um grande impacto, impacto esse criado pelo próprio Governo quando apresentou dias antes a TSU, que levou o povo a sair às ruas em várias cidades populares. Isto já teria acontecido no passado a 15 de Outubro de 2011, com menor expressividade, tendo o Governo anunciado cortes nos subsídios de férias e Natal poucos dias antes.

Mas este grupo tornou-se um foco nacional devido à primeira organização. Por outro lado, tornou-se também alvo de fortes críticas, especialmente por ligações a partidos mas porque segundo foi contado ao Tugaleaks, este dia já estava marcado com outra manifestação em São Bento.

Sem Assembleias Populares ou decisões populares sobre o rumo a dar a este colectivo, o mesmo (com ênfase apenas em Lisboa) tem efectuado vários apoios a outras manifestações ou pessoas. Mas à semelhança do que se passou nos protestos do Rossio, nos Indignados de Lisboa, na Primavera Global, no 15 de Outubro e em tantos outros acontecimentos activistas, este grupo selectivo de membros tem operado sob convite e não sob participação pública. O Tugaleaks conseguiu chegar ao contacto com duas pessoas que recusaram o convite feito “apenas a elas”. No Facebook, a maior área de influência deste movimento, não há registos de convites públicos à participação popular. Se o há, são escassos. Já no Facebook e mailinglists, vemos convites para a colagem de cartazes e para pinturas. Mas nunca para as decisões, apenas para “esforço braçal”-

A manifestação tem o slogan “O povo é quem mais ordena”. Para ordenar é preciso participar e esta plataforma está fechada à participação pública.

O activista Grazia Tanta já tinha escrito um artigo no seu blog onde falava de grupos fechados como este:

"Os grupos fechados, com controlo partidário, empapados nas suas ideologias jurássicas e de lógicas leninistas, não estão interessados na discussão política aberta, no confronto de opiniões pois, por axioma, têm sempre razão e nada têm a aprender com terceiros; mas gostam sempre de se rodear de uma corte de “compagnons de route” para se etiquetarem de unitários."

Protesto similar já estava marcado

Entre outros problemas pareceu haver um pequeno atropelo. Existia desde inícios de Janeiro um evento para o mesmo dia e apenas uma hora antes. O Cerco ao Parlamento foi um evento criado por várias pessoas, entre elas o Carlos, que contou ao Tugaleaks que “o Evento Cerco Ao Parlamento foi programado e marcado antes da marcação do Que se lixe a troika”. Afirma ainda que “os meios que o movimento QSLT têm são maiores que o nosso, têm os partidos de esquerda e as centrais sindicais por detrás, nós não temos nenhuma organização por detrás de nós, todavia penso que quando os Portugueses tiverem conhecimento dos propósitos do Movimento Cerco ao Parlamento, teremos maior aderência”. O evento foi marcado para em frente á AR pelas 15h do dia 2 de Março.

Mesmo depois de do coletivo Que se Lixe a Troika saber deste evento, confirmado com um dos organizadores, não existiu qualquer menção dela no Facebook nem na lista de eventos para esse dia, fazendo assim uma clara e infeliz falta de cooperação.

QSLT respondeu apenas ontem ao Tugaleaks

Depois de ter sido tornado público ontem que iria ser publicado um artigo sobre o Que se Lixe a Troika, depressa surgiu uma resposta. Paulo Raposo salienta que esta é a visão dele pessoal e responde a algumas das perguntas colocadas pelo Tugaleaks a 13 de Fevereiro e com um pedido de resposta até ao fim de semana seguinte. Sabemos entretanto que o grupo em causa teve contacto com o e-mail e com os media posterior ao nosso envio. Por algum motivo o nosso e-mail ficou sem resposta até ontem. Paulo afirma que “Não realizámos nunca assembleias populares, mas nada nos move contra as mesmas ou contra o espírito assembliário. O espírito deste colectivo é, repito, o da cooperação e articulação em torno de objectivos políticos básicos e que entendemos, nesta conjuntura actual, prioritários” e aponta estes motivos como sendo os normais das lutas sociais. Mas afirma, em relação manifestação de 2 de Março que “pertende ser justamente mais um momento de congregação e convergência da população portuguesa e residente em Portugal que deseje justamente demonstrar, nas ruas, o seu repúdio pela actual situação do país”. Afirma que são “um grupo de pessoas” e não um movimento.

O povo é quem mais ordena? Em Lisboa não!

O povo não pode ordenar em Lisboa sob comando de organizações não abertas ao diálogo nem à democracia popular. Não é possível ser usada a expressão do “povo ordenar” quando o povo não pode decidir.
No entanto, o Tugaleaks apela à manifestação na rua para fazer frente às condições miseráveis que o país atravessa e para punir os culpados como já está a ser feito legalmente.
Não podemos em consciência e como site que se pauta pela verdade da informação, de mostrar ou assim tentar, o processo anti democrático de decisões dentro do Que se Lixe a Troika, e esperar que daqui para a frente decisões que afectem todos se façam entre todos.

Lista de eventos para 2 de Março

Evento Cerco ao Parlamento para 2 de Março

Editado às 1h15: recebemos a informação de que existia não um mas dois eventos marcados antes. A lista de outro evento marcado no mesmo dia, para Lisboa e Porto, pode ser encontrada aqui.

Galeria
Em Lisboa no dia 2 de Março, não é o povo quem mais ordenaEm Lisboa no dia 2 de Março, não é o povo quem mais ordena

Comentários

Não desanimem

Deixem-se de susceptibilidades... o momento não é para essas coisas. Não baralhem o povo, deixem-se de teorias da conpsiração, do PC estar por trás do QSLT, etc. Marcaram o evento Cerco ao Parlamento antes do QSLT ter marcado a manif. 2 de MArço. O QSLT tem mais aderentes do que o indymedia. pt, e depois? Vamos ficar a chorar?
Adiram à manif. de 2 de Março. Ponto final!
Se querem cercar o parlamento façam-no a seguir ou no próprio dia... o 2 de MArço vai ser longo, as ações não se esgotarão no terreiro do paço.
Mobilizem algumas centenas de pessoas, façam uma marcha até à AR, depois disso.
Também iam marcar o cerco para um Sábado? Alguém trabalha na AR ao Sábado, que impacto isso ia ter? Há muita contradição. O povo tem que se unir apesar das divergências que existem.
Na revolução russa os mencheviques e os bolcheviques uniram-se para derrubar o czar, só depois é que acertaram as contas entre eles.
Não se lamuriem.

E fala do "povo" de cima para

E fala do "povo" de cima para baixo, como que sabendo o que é melhor para o "povo", como se o "povo" de uma criança se tratasse, como se o "povo" fosse uma massa de atrasados mentais que tem que ser conduzida, porque não tem capacidade de decidir ou pensar e se organizar, e tem que ter quem decida por si.

Não sou do PC

Não sou do PC e que mania a sua de fazer uma análise psicológica e uma colagem ao PC só porque REFERI a palavra povo 2 x e dei o exemplo da revolução Russa.
Não imagina que hajam outras pessoas com alguma cultura, que pensem por si e apenas estejam entusiasmadas com o momento, apesar da crise?
Não é bonito ver uns tipos a vaiar a o Relvas, a obrigá-lo a abandonar o iscte com o rabinho entre as pernas? É preciso ser comunista para fazer isso?
E ver idosos a vaiar outros ministros nas cidades do interior? Fico contagiado com muitos movimentos espontâneos que vão surgindo e por ver finalmente os Portugueses a reagir. Não vale a pena começar a reagir, mesmo não sendo à vossa maneira?
Não vos entendo, dizem-se "libertários" mas são muito cépticos em relação ao povo, do qual eu faço parte, respondem-me ofendidamente...
Parece-me que têm um pensamento demasiado formatado, ideológico...tal como os comunistas.

E depois?

E depois da manif de amanhã? Voltamos ao mesmo marasmo?
Só manifs não chega. Que a manif não seja só um descargo de consciência, a luta tem que continuar depois.

O PC quer dominar os

O PC quer dominar os protestos, toda a gente sabe isso. O BE vai pelo mesmo caminho. Isso tem consequências negativas, o domínio dos protestos por partidos oprime a liberdade e espontaneidade de auto organização da população. Os partidos caracterizam-se por tachos, e devem acabar, serem substituídos pela participação no dia a dia de cada um/a.
A chamada de atenção não impede quem quer de participar no que quer que seja, quem se mostra incomodada/o revela recear opiniões contrárias, atitude frequente no funcionamento dos partidos e de quem quer impôr as decisões dos mesmos.
Não me intitulo libertári*. A acção fora de partidos é mais livre e ambiciosa.

Claro discurso de PC, a impôr

Claro discurso de PC, a impôr ponto final e tudo. Não há pontos finais, só há pontos de interrogação, que incomodam quem quer multidões obedientes. O habitual tom paternalista e, pasme-se, como exemplo a revolução russa. Ainda restam dúvidas?

É o pc por trás como de

É o pc por trás como de costume... a querer dominar as lutas sociais; estive nas outras manifs anteriores mas nesta acho que não ponho lá os pés, isto é mais do mesmo; o que importa não são manifs com muita gente, mas sim gerar força na organização de movimentos sociais=não partidários, que podem conseguir menos pessoas nas ruas, mas que tenham protestos mais imaginativos, em que não são as multidões que importam e, como referido no texto acima, que se discuta o que se pretende fazer, que haja participação, é isso que permite surgirem novos movimentos, novas ideias, novas críticas, mais arrojadas, mais radicais - é isso que os partidos da chamada "esquerda" não querem, porque querem poleiro, querem dominar os protestos...

Sejamos exigentes, mandemos estes partidos encapuçados à merda, e criemos a nossa luta independentemente, num questionamento e debate constantes, que já vimos sermos capazes de fazer.

Quem é o colectivo que

Quem é o colectivo que organizou o Cerco ao Parlamento?
É um colectivo democrático? Por voto secreto, braço no ar, ou consenso alargado?

Por que caralho é que apelidam o movimento Que se Lixe a troika de Leninistas? Aquilo é de esqueda ao menos?

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas
PublicarMelodias