Câmara de Beja contrata sem contrato nem ordenado

ACEITO TRABALHO POR UM PRATO DE SOPA E UM PÃO

"Uma família constituída por mãe e filho aceitou o convite feito pela Câmara de Beja, com a anuência da Direcção Regional da Cultura do Alentejo (DRCA) e da Universidade de Évora (UE), para garantir a vigilância e a limpeza da estação arqueológica de Pisões. O acordo estabelecido entre as partes não contempla a celebração de contrato de trabalho nem o pagamento de qualquer retribuição pecuniária." Lê-se no Público.

Parece difícil que se não leia isto sem um sobressalto. A luta pela sobrevivência obriga a que se aceite um trabalho que já nem merece a dignidade de um salário, apenas um tecto.
Estamos a bater no fundo. Esta indignidade tem a cobertura de um Município, de um serviço da administração pública da área da cultura e de uma universidade. Espantoso. É verdade que reconhecem timidamente que a situação não é a ideal. É pouco, muito pouco.

Provavelmente a família que aceitou trabalho a troco de apenas um tecto não tem alternativas mas não pode valer tudo por parte de quem, obviamente, tem responsabilidades sociais fortíssimas. A seguir virá o trabalho apenas por um prato de sopa e um pão.

Roubado de http://atentainquietude.blogspot.pt/2013/02/aceito-trabalho-por-um-prato...

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas
PublicarMelodias