A barbárie no centro do capitalismo

Rall

Apesar de todas as medidas de segurança tomadas pelos países do centro do capitalismo, os atos de violência vão se consumando sem que o Estado seja capaz de preveni-los. A descrição das ações como ato de “lobos solitários”, serve mais para esconder a incompetência dos órgãos de segurança do que como análise séria. É claro que isso não seria possível sem apoios internos e externos, material e ideológico. Busca-se afirmar que esse tipo de violência restringe-se ao sectarismo religioso e nada mais. Mas o discurso contra a barbárie usado dessa forma esquece o substrato real gerado pelas relações sociais, parte essencial do ser sectário. E aí a sociedade capitalista tem que se explicar.

O apelo oficial pela união de todas as forças contra o terrorismo, que deve ser repudiado e combatido, em defesa dos valores universais da sociedade burguesa, é como se dissesse: “olha, aqui está tudo bem, o problema são os inimigos externo”. Ou como propõe a extrema direita em seu discurso belicoso, uma verdadeira cruzada capaz empurrar o islã além das fronteiras européia. Nenhuma palavra por que milhares de jovens nascidos na Europa engajaram-se na insana aventura de grupos sectários fascistoide que cultuam a morte. E agora trazem a experiência de lidar com armas pesadas e matam brutalmente dentro de seus países, não importa o preço que tenham a pagar.

É preciso condenar os atos de barbárie, mas também reconhecer que a dinâmica do capitalismo em crise, com a crescente massa de força de trabalho supérflua, fornece aos grupos sectários, braços e corpos, para apertar o gatilho ou explodir contra pessoas desarmadas. É bom lembrar que a razão iluminista trazida à memória em momentos como estes, serviu e serve para justificar em nome da modernidade, massacres de cidadãos não europeus, fora e dentro de suas fronteiras, na expansão e consolidação do capitalismo mundial e agora no seu ocaso. A primeira e a segunda guerra mundial, e as guerras regionais que se seguiram ao período do pós-guerra, seguem a lógica cega e androcêntrica do capital, que para o indivíduo ser produtivo de mais-valia, os sentimentos são brutalmente reprimidos e extirpados para que possam atender ao mercado e ao Estado armado. O que resta é um ser abstrato, destituída do sensível, que vagam como mônoda no automático da valorização do capital.

Num mundo fetichizado sob o domínio do dinheiro, o sectarismo religioso não flutua nas nuvens, no Empíreo dos deuses, independente deste. Uma simples análise das guerras sectárias no Iraque, na Líbia e na Síria, só para citar algumas do presente aonde essa questão mantém-se em pauta, veremos que os interesses econômicos subjazem a luta fratricida. É claro que os sistemas de crenças torna tudo isso mais brutal, na medida em que a dinâmica própria destes mobiliza e justifica a violência perante seus seguidores.

Não adianta culpar o outro ou justificar que assistimos um choque de civilização entre o Ocidente e Oriente, e se ausentar do problema. Não há muito, se considerarmos os intervalos de tempo da história, em plena Europa foi estabelecida a barbárie nazista do holocausto, cujas justificativas eram plenamente aceitas por povos ditos civilizados. Movimento que começou de forma muito parecida como o que estamos assistindo agora: grupos autoritários recrutando entre os marginalizados, pessoas dispostas a se utilizar da violência para impor uma visão de mundo que acreditavam ser a verdadeira. Só diferem porque a Pátria-mãe dos nazistas oferecia o paraíso na terra e os grupos religiosos sectários no Céu, tornando a questão da vida para os seus seguidores mais banal ainda, já que a morte é vendida como a chave para abrir a porta do paraíso celeste.

Apesar desse tipo de violência exigir manifestações clara de repúdio, não se pode esquecer a lógica destrutiva da sociedade burguesa e de sua forma de produção. Mas mesmo reconhecendo a existência de condicionantes muito fortes nesta sociedade, os indivíduos não estão isentos de responsabilidade, podem resistir e se manifestar em relação a determinados fatos. É hora de saber até aonde vai à tolerância religiosa de todos os credos ao se manifestarem sobre o episódio que matou jornalistas, cartunistas e outras pessoas, já que se sentiram atingidos pelas charges irreverentes da revista. A afirmação é também válida para grupos militantes e partidos políticos. Mesmo reconhecendo o direito de discordar e de protestar contra as publicações, em momentos como este não se pode aceitar de qualquer instituição ou personagem a omissão ou declarações dúbias, que alimentem o germe da violência e da destruição presente no substrato introjetado sem cessar nos corações e mentes.

12.01.2015

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas