Uma alternativa à praxe tradicional

Por António Miguel, Daniela Rebouta e Pedro Coelho

A Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) tem assistido ao crescimento do movimento AlternAtiva, cujo objetivo passa por integrar os novos alunos que optam por um método de socialização distinto do tradicional.

A ideia começou a ganhar contornos reais quando Rebeca Csalog, ex-estudante da Université Paris Diderot (na qual a praxe é considerada crime público), se deparou com uma nova forma de receber os caloiros.

Atualmente a estudar Antropologia na FCSH, Rebeca, com vinte anos de idade, pretende agora tirar partido da sua experiência em França e atuar no plano da defesa dos direitos estudantis.

A equipa responsável pelo movimento define-se por uma estrutura sem hierarquias ou cargos assumidos, dentro da qual cada elemento desempenha diferentes funções, tendo em conta que todos os membros assumem o mesmo grau de importância e poder de decisão.

Continuar a ler

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas