WikiLeaks revela como CIA acedia a smartphones e televisores

ite de denúncias revela ferramentas de espionagem informática da CIA. WikiLeaks alega que a CIA "perdeu o controlo" do seu "arsenal de espionagem informática".

O site de denúncias WikiLeaks começou a publicar nesta terça-feira o que diz ser “o arsenal de espionagem informática” da CIA, a agência norte-americana de serviços secretos. Em causa, alega a organização, estão centenas de milhões de linhas de código que permitem o acesso a aparelhos como o iPhone da Apple, os sistemas Android da Google e Windows da Microsoft e até aos microfones dos televisores inteligentes da Samsung. Para já, e no primeiro de sete pacotes a serem divulgados, o WikiLeaks disponibiliza quase 8000 páginas de informação e mais de 900 anexos.

Para além do acesso a smartphones e televisores inteligentes, o WikiLeaks indica que a CIA e a sua rede de colaboradores dispõem de ferramentas para contornar os sistemas de encriptação de plataformas de mensagens com o WhatsApp, o Signal ou o Telegram.

Num comunicado, a organização justifica a divulgação destes dados com a "necessidade urgente de debater publicamente se as capacidades de espionagem informática da CIA irão além dos poderes que lhe são mandatados".

Até ao momento, e seguindo a política da agência, a CIA não comenta a veracidade das denúncias. Mas citado pelo The New York Times, um antigo responsável avança, sob anonimato, que os dados revelados pelo WikiLeaks aparentam ser genuínos.

O grupo não identificou a fonte de origem da documentação, revelando apenas que esta andou a circular por antigos hackers e funcionários do Governo de forma não autorizada. Um deles entregou os documentos, que são datados de 2013 a 2016, ao WikiLeaks que classifica esta publicação como “a maior de sempre sobre a agência”.

Alguns dos pormenores divulgados pelo WikiLeaks dão conta de que os piratas informáticos do Governo conseguiam entrar nos telefones Android e captar “tráfico de áudio e de mensagens antes de ser necessária a encriptação”, cita o New York Times.

Outro dos programas de pirataria utilizados, e com o nome de código “Weeping Angel”, utilizava as televisões inteligentes da Samsung como aparelhos de escuta. De acordo com o site responsável pela fuga de informação, as televisões, mesmo quando aparentemente desligadas, gravavam conversas que ocorriam na divisão onde se localizava o aparelho, transmitindo depois a gravação para um servidor encoberto da CIA. O comunicado do WikiLeaks refere que o programa foi desenvolvido juntamente com os serviços de informação britânicos.

O Guardian destacaainda a informação revelada de que o consulado americano na cidade alemã de Frankfurt, o maior do mundo, serve como uma “sensível instalação de informação compartimentada” que utilizou especialistas digitais da CIA e outras agências de informação americanas.

https://www.publico.pt/2017/03/07/mundo/noticia/wikileaks-revela-ferrame...

Comentários

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas