Referendo na Catalunha | 2,3 milhões de votos, 90% pela independência

Tudo o que precisas de saber (e nem todos os media te vão dizer) sobre a consulta de 1 de Outubro e o que vai acontecer nos próximos dias

Apesar do estado de negação das instituições espanholas, o referendo realizou-se. Apesar das intervenções policiais, cargas, balas de borracha, urnas confiscadas, feridos, na esmagadora maioria dos colégios eleitorais a votação realizou-se com normalidade. Mais de 2 milhões de pessoas votaram no dia de ontem. O grandioso e democrático Reyno de España é o principal derrotado deste processo.

Rajoy continua a dizer que “o referendo não aconteceu”, o excelentíssimo Rey Felipe VI guarda um silêncio sepulcral. Também não houve uma actuação policial brutal e desproporcionada – se fôssemos a acreditar neles, acharíamos que nem existiram oito centenas de feridos. Tudo normal e proporcional para fazer cumprir a ordem do constitucional. As imagens e os vídeos que o mundo viu mostram uma realidade bem diferente – multidões a resistir por toda a Catalunha, nos colégios eleitorais e na rua, as filas gigantes dos e das que esperavam por votar.

Quando no passado se discutia o processo soberanista e se falava numa hipotética declaração de independência, muita gente temia o destacamento por Madrid de unidades do exército para manter o controlo sobre o território. Mais uma vez, Madrid superou as expectativas e, desde vários dias antes do referendo, tem na região mais de 10 000 agentes das forças de ocupação. O combate acabou de começar. Amanhã, dia 3 de Outubro realiza-se uma greve geral na Catalunha, apoiada por todos os sectores sindicais e várias organizações civis. E uma declaração unilateral de independência não é um cenário de todo improvável.

A VOTAÇÃO DECORREU COM NORMALIDADE
A votação decorreu com normalidade na esmagadora maioria dos 2.315 colégios eleitorais onde estava previsto realizar-se o referendo. Segundo os dados divulgados pelo Ministério do Interior, fruto das intervenções da Guarda Civil e Polícia Nacional foram encerrados 92 colégios. Por seu lado, os Mossos afirmaram ter encerrado 221 colégios (às 15h10). Ao todo, foram apenas cerca de 14% os colégios onde as urnas não abriram ou foram confiscadas durante a votação. | http://bit.ly2yi7U1w | http://bit.ly/2yRHlNG | http://bit.ly/2x77uuC

Obviamente, apesar da relativa “normalidade” com que a consulta de ontem se desenrolou, este referendo foi tudo menos normal. Para fazer frente às ameaças e às acções levadas a cabo por Madrid para impedir o referendo, encerrar os colégios pela força, bloquear websites informativos e aplicações ligadas ao referendo, a Generalitat anunciou menos de uma hora antes do início da votação que esta iria decorrer segundo um censo universal. Os e as interessadas em participar puderam, assim, votar em qualquer um dos colégios eleitorais, dado que não podiam ser garantidas as condições para a abertura de todos eles. A par disso, a Generalitat disponibilizou um mecanismo electrónico para que ninguém pudesse votar em mais do que um colégio | http://bit.ly/2yCb7Vv

Apesar das intervenções musculadas em cidades como Barcelona, Girona e Lleida (que mesmo assim tiveram uma boa parte dos colégios abertos), na cidade de Badalona, por exemplo, não foram registados quaisquer incidentes e os 34 colégios eleitorais estiveram abertos todo o dia (http://bit.ly/2xMLsKP) O mesmo aconteceu na comarca de Vallès Oriental (http://bit.ly/2xQBJEM) e, tudo indica, na maior parte das regiões rurais.

Durante o dia de ontem, foram divulgados pela Generalitat dois mapas dos colégios eleitorais abertos e encerrados | http://bit.ly/2xTfIW9 & http://bit.ly/2yBpDwR

Foram também divulgadas muitas imagens de enormes filas para votar em vários pontos da região. | http://bit.ly/2x8WP2w | http://bit.ly/2wsHRjw | http://bit.ly/2g2sSqk

Concentradas desde as 5h da manhã, milhares de pessoas responderam aos apelos feitos circular a meio da tarde para que se continuassem a proteger os colégios eleitorais para impedir que as forças da ocupação confiscassem as urnas ao final do dia | http://bit.ly/2yiXmz8 | http://bit.ly/2xJOLVj

Mais info: http://bit.ly/2xMyo85 | http://bit.ly/2g2AVDB

PARTICIPAÇÃO E RESULTADOS
Apesar de todas as ameaças, de todos os colégios encerrados, de toda a violência, das cargas e das balas de borracha, 2,3 milhões de pessoas (42,7%) dos 5,3 eleitores aptos a participar no referendo deslocaram-se às urnas. Estima-se que os colégios eleitorais encerrados representem 770 mil pessoas (14%) que não puderam votar ou que viram os seus votos cair nas mãos das forças espanholas.

Dos 2,3 milhões de participantes, 89,3% votaram a favor da Catalunha como um Estado independente em forma de República. Ou seja, 2.020.144 votos para o sim; 20.129 votos nulos; 45.585 votos em branco; e 176.566 votos contra a independência da Catalunha. | http://bit.ly/2kgtEUW | http://bit.ly/2xMfrm2

FERIDOS
Cargas, bastonadas, empurrões, balas de borracha, enfarte, uma pessoa alvejada por uma bala de borracha no olho. Compilação (em vídeo e texto) da violência policial: http://tinyurl.com/y89p84fa

O último número divulgado é de 844 feridos, dos quais 128 tiveram que ser hospitalizadas. A distribuição por regiões é a seguinte: 355 pessoas feridas em Barcelona, 249 em Girona, 111 em Lleida, 55 nas Terres de l’Ebre, 46 na Catalunya central, 27 em Camp de Tarragona e 1 no Alt Pirineu i l’Aran. Os dois feridos mais graves continuam hospitalizados | http://bit.ly/2keNnEE

SOLIDARIEDADE #CatalunyaNoEstasSola
Durante o dia de ontem, o País Valenciano foi o primeiro a sair à rua em apoio à Catalunha e contra a repressão, em Valência (http://bit.ly/2x7dVOp) e Alicante (http://bit.ly/2kdjUuR). Mais tarde, vários partidos de esquerda valencianos lançaram um apelo unitário a realizarem-se, ao início da noite de ontem, concentrações à frente de todos os ayuntamentos do País Valenciano | http://bit.ly/2yCoIfw

Também se saiu às ruas pelo menos em A Corunha e Vigo, mostrando mais uma vez que a Galiza está mobilizada no seu apoio à Catalunha, depois de uma marcha massiva em Santiago a semana passada | http://bit.ly/2yRQzcP | http://bit.ly/2ySIlkG

Para além disso, houve concentrações em Sevilha, Madrid, Cádiz (http://bit.ly/2hEUMfI | http://bit.ly/2yhg1v6 | http://bit.ly/2ySIlkG) e na maioria das cidades do estado espanhol | http://bit.ly/2yRuNFW

AS FORÇAS DE OCUPAÇÃO VIERAM PARA FICAR
No final da tarde de ontem, foi tornado público pelo eldiario.es que os agentes da Policia Nacional e Guardia Civil destacados na Catalunha têm ordens para lá permanecer durante pelo menos mais uma semana a contar do dia do referendo. | http://bit.ly/2xPm9cn

A RESISTÊNCIA TAMBÉM - GREVE GERAL NA CATALUNHA
Amanhã, dia 3 de Outubro, vai haver greve geral na Catalunha, com todos os principais sectores da sociedade catalã representados. Esta greve foi convocada a semana passada pelos sindicatos alternativos CGT e ; Intersindical Alternativa de Catalunya (AIC), pela CNT de Catalunya i Balears e pelos sindicatos independentistas COS e Intersindical-CSC, com o apoio de movimentos sociais e do movimento estudantil.

Desde ontem que também estão a chamar à greve os sindicatos maioritários CCOO, UGT de Catalunya e USOC. O anúncio foi feito pela «Taula per la Democràcia», uma iniciativa da sociedade civil de que fazem parte, para além destes sindicatos, a Assembleia Nacional Catalã, as Federações de Pais e Mães e de Associações de Vizinhos da Catalunha, a União de Camponeses, e outras 40 organizações.

Mais info: http://bit.ly/2xHYLOP | http://bit.ly/2xJUhaI

Comentários

Aplicació de l'article 155:

Aplicació de l'article 155: Cop d'estat a Catalunya

Gràcies pel ressò mediatic.
Seguirem lluitant!

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas