"Muitos israelitas nunca foram à Palestina. É uma pena o medo e o desconhecimento"

retirado de https://www.tsf.pt

A artista plástica Joana Villaverde é a entrevistada desta semana do programa Começo de Conversa.

Depois de expostas as pinturas em Lisboa e em Avis, Animal's Nightmare agora é um livro, com um texto em português, inglês e árabe. A artista nascida em Lisboa, hoje a residir em Avis, conta a permanência em Ramallah, a mudança de atitude em Nova Iorque, os tempos a bordo de um cargueiro para o novo projeto sobre o mar.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Como foi viver dois meses na Palestina?

Foi muito intenso. Estive lá em 2014, durante o ataque a Gaza. Da Cisjordânia não se pode ir a Gaza, há um bloqueio, não se pode entrar. O facto de estar ali fez-me criar empatia e solidariedade com as pessoas, muito mais do que se estivesse tudo calmo. Sabemos que a qualquer momento tudo pode acontecer. Quando fui, não previa o ataque a Gaza, estava tudo mais ou menos calmo e de repente aconteceu.

Como circula a informação?

É tudo através do Twitter, Internet, Facebook. A televisão para mim não dava porque não sei árabe. Só tinha os canais dali e não percebia nada. Liguei-me aos Facebook, aos Twitter das pessoas que estavam em Gaza, incluindo médicos dos hospitais. Vivi mais ou menos da mesma forma que eles. Também não dormi, também ouvi os helicópteros em cima da cabeça, como acontece em toda a Cisjordânia, a sentir que há uma subpotência em cima. Isso dos helicópteros não é propriamente assustador, dá uma certa raiva. E é impossível dormir porque se ouve estrondos a toda a hora.

Continuar a ler

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas