Porque é que os líderes mundiais estão apoiando este brutal ataque contra os curdos em Afrin?

Por David Graeber, Originalmente publicado no Guardian

Traduzido Por: João Barreto Leite

Retirado de: El Coyote ( http://elcoyote.org/por-que-os-lideres-mundiais-estao-apoiando-esse-brut... )

_Há três anos, o mundo assistiu a homens e mulheres lutadores na cidade síria de Kobane, armados apenas com rifles Kalashnikovs, impedirem um vasto exército de militantes islâmicos com tanques, artilharia e superioridade logística esmagadora. Os defensores insistiram que estavam agindo em nome da democracia feminista revolucionária. Os combatentes islâmicos juraram exterminá-los por essa mesma razão. Quando os defensores de Kobane ganharam, foi amplamente saudado como o mais próximo pode vir, no mundo contemporâneo, a um claro confronto do bem contra o mal.

Hoje, exatamente o mesmo está acontecer novamente. Exceto neste momento, as potências mundiais estão firmemente ao lado dos agressores. Em um giro bizarro, esses agressores parecem ter convencido os principais líderes mundiais e os criadores de opinião públicos de que os cidadãos de Kobane são “terroristas” porque adotam uma versão radical da ecologia, da democracia e dos direitos das mulheres.

A região em questão é Afrin, defendida pelas mesmas YPG e YPJ (Unidades de Proteção do Povo e Proteção da Mulher) que defenderam Kobane e que depois foram as únicas forças na Síria dispostas a lutar pelo coração do Estado islâmico, perdendo milhares de combatentes na batalha pela sua capital, Raqqa.

Um pedaço de paz e sanidade isolada na guerra civil síria, famosa apenas pela beleza de suas montanhas e olivais, a população de Afrin quase duplicou durante o conflito, quando centenas de milhares de refugiados, na sua maioria árabes, se refugiaram com a sua original, esmagadoramente População curda.

Ao mesmo tempo, seus habitantes aproveitaram sua paz e estabilidade para desenvolver os princípios democráticos abraçados em toda a maioria das regiões curdas do norte da Síria, conhecida como Rojava. As decisões locais foram transferidas para assembleias de vizinhança nas quais todos pudessem participar; outras partes de Rojava insistiram na paridade rigorosa do gênero, com cada escritório com co-presidentes, homens e mulheres, em Afrin, dois terços dos cargos públicos são ocupados por mulheres.

Hoje, este experimento democrático é objeto de um ataque inteiramente não provocado por milícias islâmicas, incluindo veteranos de Isis e Al Qaeda, e membros de esquadrões da morte turcos, como os famosos lobos cinzentos, apoiados pelos tanques do exército turco, lutadores F16 e helicópteros de combate . Como Isis antes deles, a nova força parece determinada a violar todos os padrões de comportamento, lançando ataques de napalm contra aldeões, atacando barragens – mesmo, como Isis, explodindo monumentos arqueológicos insubstituíveis. Recep Tayyip Erdoğan, presidente da Turquia, anunciou: “Pretendemos dar a Afrin de volta aos seus legítimos donos”, em um aviso pouco velado para limpar etnicamente a região de seus habitantes curdos. E só hoje surgiu que um comboio em direção a Afrin que transportava alimentos e remédios foi bombardeado pelas forças turcas.
Notavelmente, o YPG e o YPJ até agora mantiveram os invasores. Mas eles o fizeram sem o apoio moral de uma única grande potência mundial. Mesmo os EUA, a presença de cujas forças impede o Turquia de invadir os territórios do leste, onde YPG e YPJ ainda estão envolvidos em combate com Isis, se recusaram a levantar um dedo para defender Afrin. O secretário estrangeiro britânico, Boris Johnson, chegou a insistir em que “a Turquia tem o direito de querer manter suas fronteiras seguras” – por qual lógica ele não teria objeção se a França apoderasse o controle de Dover.

O resultado é bizarro. Líderes ocidentais que regularmente regozijam os regimes do Oriente Médio por sua falta de direitos democráticos e de mulheres – mesmo, como George W Bush fez com os talibãs, usando isso como justificativa para a invasão militar – parece ter decidido que ir muito longe na outra direção é motivos justificados para o ataque.

Para entender como isso aconteceu, é preciso voltar para a década de 1990, quando a Turquia estava envolvida em uma guerra civil com o braço militar do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, ou PKK, uma organização marxista-leninista que pedia um estado curdo separado. Se o PKK sempre foi uma organização terrorista, no sentido de bombardeio de mercados e similares, é muito uma questão de contenção, mas não há dúvida de que a guerra de guerrilha era um negócio sangrento, e coisas terríveis aconteceram em ambos os lados. Sobre a virada do milênio, o PKK abandonou a demanda por um estado separado. Ele chamou de cessar-fogo unilateral, pressionando as conversações de paz para negociar autonomia regional para curdos e uma democratização mais ampla da sociedade turca.

Essa transformação afetou o movimento de liberdade curdo em todo o Oriente Médio. Aqueles inspirados pelo líder preso do movimento, Abdullah Öcalan, começaram a pedir uma descentralização radical do poder e oposição ao nacionalismo étnico de todos os tipos.

O governo turco respondeu com uma intensa campanha de lobby para que o PKK designasse uma “organização terrorista” (que não tinha sido antes). Em 2001, conseguiu, e o PKK foi colocado na UE, nos EUA e na “lista terrorista” da ONU.

Nunca uma decisão causou tanto estrago com a perspectiva da paz. Permitiu que o governo turco prenda milhares de ativistas, jornalistas, funcionários curdos eleitos – até mesmo a liderança do segundo maior partido de oposição do país – tudo sobre reivindicações de simpatias “terroristas” e com apenas uma palavra de protesto da Europa ou da América. A Turquia agora tem mais jornalistas na prisão do que qualquer outro país.

A designação criou uma situação de loucura orwelliana, permitindo que o governo turco derrame milhões em firmas de relações públicas ocidentais para esconder qualquer um que exija maiores direitos civis como “terroristas”. Agora, no absurdo final, permitiu que os governos mundiais se sentassem ociosamente, enquanto a Turquia lança um ataque não provocado a um dos poucos cantos pacíficos da Síria – mesmo que a única conexão real que seu povo tenha com o PKK seja um entusiasmo pela filosofia do líder encarcerado Öcalan. Não pode ser negado – como dizem semanalmente os propagandistas turcos – que os retratos de Öcalan e seus livros são comuns. Mas, ironicamente, o que essa filosofia consiste é simplesmente um abraço de democracia direta, ecologia e uma versão radical do empoderamento das mulheres.

Os extremistas religiosos que cercam o atual governo turco sabem perfeitamente que Rojava não os ameaça militarmente. Isso os ameaça, fornecendo uma visão alternativa do que a vida da região poderia ser. Acima de tudo, eles acham que é fundamental enviar a mensagem às mulheres em todo o Oriente Médio que se se levantarem por seus direitos, e muito menos se levantarem em armas, o resultado provável é que eles serão mutilados e mortos, e nenhum dos Os principais poderes levantarão uma objeção. Há uma palavra para tal estratégia. É chamado de “terrorismo” – um esforço calculado para causar terror. A questão é, por que o resto do mundo está cooperando?

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas