Pistas para o boicote académico a Israel em Portugal

As instituições académicas europeias estão subtilmente controladas e reguladas pela UE, sobretudo no que toca a programas que envolvem financiamento e intercâmbios. Por um lado, o programa Erasmus deve ser profundamente questionado porque a Universidade Lusíada mantém laços pouco claros com a Ariel University of Samaria através do programa LLP/Erasmus; a Escola Superior de Arte e Design de Matosinhos tem parcerias e contratos bilaterais com instituições de Ensino Superior Israelitas e, por último, o CHE israelita (Council for Higher Education) está envolvido no programa Ciência sem Fronteiras e Erasmus +. Por outro lado, a Universidade Fernando Pessoa, a Universidade Lusíada de Lisboa e a Universidade do Porto devem ser pressionadas para clarificar a sua pertença à Associação Internacional de Universidades (IAU) lado a lado com instituições israelitas (Universidade Ariel e Technion – Israel Institute of Technology). A Universidade Católica Portuguesa (Lisboa), a Universidade do Algarve (Faro), a Universidade de Coimbra, a Universidade de Évora, a Universidade de Lisboa, a Universidade do Porto, a Universidade Nova de Lisboa e a Universidade Técnica de Lisboa também devem clarificar a sua adesão à organização Observatory – Magna Carta Universitatum - lado a lado com Technion – Israel Institute of Technology, a Universidade Bar-Ilan e o Instituto de Ciência Weizmann.

via Grupo Acção Palestina

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas