Antígona publica "A sociedade contra o Estado" de Pierre Clastres, numa nova tradução

"A lei, inscrita nos corpos, é a recusa da sociedade primitiva em correr o risco da divisão. Cruelmente ensinada, é uma proibição de desigualdade de que todos se recordarão: tu não vales menos do que qualquer outro, tu não vales mais do que qualquer outro."

A Sociedade contra o Estado (1974), obra maior do antropólogo e etnólogo francês Pierre Clastres, reúne artigos escritos no seio de uma intensa convivência com tribos índias sul-americanas, entre 1962 e 1974. Nestes estudos que inspiraram libertários de todo o mundo, tecem-se duras críticas ao etnocentrismo do Ocidente, desfazendo-se o mito de que a história tem um sentido único e de que qualquer sociedade está condenada a percorrer as etapas que vão da selvajaria à civilização.

As povoações tropicais que Pierre Clastres observa não são apenas sociedades sem Estado, mas sociedades «contra o Estado»: nelas tudo se organiza de modo a impedir o nascimento de uma entidade exterior à comunidade; nelas se escarnece de quem deseja mandar e fazer obedecer; nelas não se dá ao chefe qualquer autoridade, mas somente um dever – o de usar a palavra para manter a paz. Depois d’A Sociedade contra o Estado, o Índio não é afinal um povo sem fé, sem rei, sem lei. É uma utopia concretizada: a vida sem coerção, nem classes sociais, nem mestres, nem servos.

Monumento incontornável do pensamento anarquista, a obra mais famosa de Pierre Clastres é uma brilhante redefinição da natureza do poder e um dos grandes textos da antropologia política.

TÍTULO ORIGINAL La Société contre l'État - Recherches d'anthropologie politique TRADUÇÃO Manuel de Freitas 1.ª EDIÇÃO 2018 PÁGINAS 240 ISBN 978-972-608-319-1

https://antigona.pt/products/a-sociedade-contra-o-estado

Comentários

Submeter um novo comentário

O conteúdo deste campo é privado e não irá ser exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para confirmar se és uma pessoa ou não e para prevenir publicaçãos automatizadas