Riot-Folk: colectivizar a música, amplificar o grito

em
rotulado com

“Voltar a fazer do folk uma ameaça” - a ideia juntou nove músicos norte-americanos. Chamaram-lhe Riot Folk. Fazem das guitarras acústicas armas apontadas ao capitalismo, reinventam a forma de partilhar e fazer música, cantam sonhos comuns. Ryan Harvey, um dos fundadores do colectivo, toca esta semana em Portugal.
-

“A música tem sido uma ameaça para o capitalismo e outros sistemas de opressão no passado, e o Riot-Folk quer voltar a fazer do folk uma ameaça!” Este é o mote para um colectivo que há sete anos espalha música radical pelos EUA. Carregam guitarras e inconformismo, teimam que “uma canção pode ser uma poderosa arma para a mudança social.” Ryan Harvey, que esta semana toca pela primeira vez em Portugal (quarta e quinta em Lisboa, sexta-feira no Porto), é um dos fundadores do colectivo.

“Somos um grupo de músicos dedicado à ajuda mútua e à solidariedade, enquanto cria uma voz colectiva que possa provocar, educar, desafiar e inspirar”, explica-se em http://riotfolk.org/. Tudo começou em 2004, quando nove jovens músicos de vários cantos do país decidiram partilhar recursos como contactos, site, equipamento de gravação e dinheiro.

“Os colectivos baseiam-se na ideia de que trabalhar em conjunto beneficia cada membro, mais do que trabalhar em competição – essa noção querida ao capitalismo. A competição não deixa lugar para a colaboração ou a solidariedade, limita o potencial dos indivíduos ao desencorajar as conquistas cooperativas e o interesse colectivo.”

O Riot-Folk criou uma rede de pessoas com quem podem fazer uma digressão, gravar, trocar ideias ou dar e receber apoio. Também lhes deu oportunidade de se tornarem um recurso para outros projectos radicais, fazendo concertos benefit ou tocando em solidariedade com acções.

Longe das editoras e promotoras comerciais, definem-se como um colectivo anti-lucro, baseado nos princípios de anti-opressão e anti-capitalismo. “Não queremos capitalizar a nossa música, mas usá-la como uma ferramenta contra o capitalismo. Queremos criar um modelo diferente de como a música pode ser criada, apoiada e partilhada.” Por isso, utilizam um fundo colectivo, para o qual cada um dá aquilo que pode e retira aquilo de que precisa. E as decisões tomam-se por consenso.

Porque a música deve ser acessível, tudo o que gravam está disponível para download gratuito (algo que em 2004 era bem menos comum) e os concertos são gratuitos ou com contribuição livre. Já os álbuns são vendidos numa escala baseada nas possibilidades que as pessoas tenham de pagar. E o dinheiro que fazem é reciclado como fundo para novos álbuns e digressões.

“Colectivizar a nossa música amplificou a capacidade de cada um ser ouvido de forma mais vasta e fez disparar a nossa energia e possibilidade de continuar a fazer música”, garantem. “Demos passos no sentido de quebrar a cultura do isolamento e competição – criando novas relações de solidariedade e apoio-mútuo.”

A urgência punk numa guitarra acústica

Há dez anos que Ryan Havey tem tocado em círculos pela justiça social. Durante esse tempo já lá vão treze álbuns gravados no espíririto “do it yourself”. Muito do seu tempo e energia vão para o trabalho com ex-militares em grupos contra a guerra, como o Iraq Veterans Against the War. “Considero a minha música e as minhas canções como uma parte do meu activismo, tal como ajudar a organizar um evento”.

Cresceu nos subúrbios de Baltimore a ouvir Rancid e Crass, e abandonou a escola aos 16 para “aprender com o mundo”. Foi pela altura em que Bush foi eleito que começou a pegar na guitarra. “As bandas punk têm uma história de músicas e mensagens socialmente activas, e eu queria juntar essa raiva e urgência através do meio simples que é a guitarra acústica.”

“O capitalismo encontrou na música um novo produto e um novo mercado. A canção deixou de estar no centro para dar lugar ao artista, à estrela. E os artistas tornaram-se eles mesmos produtos – nomes a ser promovidos, vendidos e comprados. A competição económica e artística tornou-se a regra do jogo, e aqueles que não forem comprados por uma editora são afogados entre o barulho da música comercial e baseada no lucro.”

Através do Riot-folk, Ryan procura subverter este sistema. “Antes da era das gravações comerciais e do copyright, a música folk era de facto colectiva. As canções eram escritas para serem partilhadas e cantadas por todos livremente. O artista era o iniciador de um “ciclo de dádiva”, em que a música ia para lá do controlo e do lucro do criador, para se tornar parte de algo maior – um bem comum.”

É nessa lógica que as músicas são anti-copyright, livres para serem distribuídas, cantadas, rescritas por todos. “Adoro receber emails do género: 'espero que não te importes mas reescrevi as letras de uma das tuas músicas'”, conta. Um exemplo? Foi a partir de uma música sua que surgiu a faixa “Stray bullets” http://youtu.be/6wY2g9WJhpw , do novo álbum de The Nightwatchman – projecto de Tom Morello, dos Rage Against the Machine.

Ryan Harvey em Portugal:
quarta-feira, 28 @ Da Barbuda, Lisboa http://www.facebook.com/event.php?eid=168989809850742
quinta feira, 29 @ Veganário Fest, Lisboa http://www.facebook.com/event.php?eid=244711532226646
sexta feira, 30
@ Open Minds, Spot, Porto (20h30) http://www.facebook.com/event.php?eid=158906427529173
@ Casa Viva (23h) http://casa-viva.blogspot.com/

Ouvir:
Ryan Harvey - Peace, Justice and Anarchy
http://youtu.be/Cuo0Hg0TGH4
Evan Greer - Ya Basta
http://youtu.be/LQMU2VTpJ58
Brenna Sahatjian - Treason Loyalty & Love
http://youtu.be/0t-RnED1NrE

Galeria
Riot-Folk: colectivizar a música, amplificar o gritoRiot-Folk: colectivizar a música, amplificar o grito
PublicarMelodias